Junção de tabelas por auto-junção

Quando se tem dois conjuntos de dados com algum tipo de relação entre eles, é interessante se realizar uma junção desses dados. No Zoho Analytics, esse tipo de união pode ser feita de duas formas: com auto-junção(auto-join) ou com consulta (query). Nesse tutorial, iremos explicar como funciona a junção por auto-junção.

A auto-junção é uma ferramenta do Zoho Analytics utilizada para unir dados de diferentes conjuntos usando uma coluna de pesquisa. Essa coluna (por vezes chamada de “coluna Lookup”) é o elemento em comum entre os dois conjuntos de dados, sendo usualmente um identificador único (id, CPF, código do local). Para o método de auto-junção, é necessário que as tabelas a serem juntadas tenham pelo menos uma coluna equivalente, ou seja, uma coluna em que os elementos sejam iguais entre elas.

Definindo a coluna de pesquisa

Para relacionar os conjuntos de dados no método de auto-junção é necessário definir as colunas de pesquisa (lookup). Isso pode ser feito seguindo alguns passos mostrados abaixo:

  1. De uma das tabelas a ser relacionada, clique em “Projeto de edição”.
  2. Clique na aba de “pesquisa”. Essa aba contem todas as relações da tabela em questão com outras tabelas desse projeto, e é por ela que é possível se editar essas relações ou mesmo criar relações novas.
  3. Para criar uma nova relação, clique em “Adicionar pesquisa”. Isso fará com que surja uma nova linha nessa lista de relações da tabela.
  4. Selecione as colunas a serem relacionadas nos campos “Coluna da tabela atual” e “Coluna de pesquisa”.Em seguida, selecione a cardinalidade entre as duas tabelas. A cardinalidade diz respeito a como as duas tabelas se relacionam, tendo 4 possibilidades:
    1. Um para um: nesse caso, os dados das colunas de pesquisa e da tabela não se repetem em nenhuma das colunas. Normalmente é usada para agregar dados que possuem uma relação tipo : “Cada A possui um B, e cada B possui um A”, por exemplo:
      1. Cada pessoa possui um único CPF, e cada CPF representa uma única pessoa.
      2. Cada estado possui um único governador, e cada governador rege um único estado.
    2. Um para muitos: nesse caso, os dados da coluna da tabela principal não se repetem, mas os da coluna de pesquisa sim. Normalmente é usada para agregar dados que possuem uma relação tipo : “Cada B possui um A, mas cada A pode ter vários B”, por exemplo:
      1. Cada pessoa possui uma data de nascimento, mas em uma data podem ter nascido varias pessoas.
      2. Cada cliente é atendido por um funcionário, mas um mesmo funcionário pode atender vários clientes.
      3. Cada deputado representa um estado, mas um estado é representado por vários deputados.
    3. Muitos para um: é o mesmo tipo de relação que um para muitos, mas nesse caso os dados que podem ter repetição estão na coluna da tabela, enquanto a coluna de pesquisa possui os valores únicos.
    4. Muitos para muitos: é o tipo de relação em que tanto a coluna da tabela principal quanto a coluna de pesquisa têm repetição. Esse tipo de relação é mais complexa para se analisar pois normalmente é necessário o uso de funções agregadoras e filtros, e portanto não é muito recomendada. Normalmente é usada para agregar dados que possuem uma relação tipo : “Cada B pode possuir vários A, e A pode ter vários B”, por exemplo:
      1. uma pessoa pode ter mais de um endereço de entrega para suas encomendas, e um mesmo endereço pode receber encomenda de várias pessoas.
      2. um vendedor pode vender vários produtos, e um mesmo produto pode ser vendido por vários vendedores.
      3. uma criança pode ter mais de um responsável legal, e uma pessoa pode ter responsabilidade sobre varias crianças.
  5. Após criar a relação desejada, clique em “Salvar”.

As relações criadas podem ser excluídas clicando no X vermelho ao lado de cada relação. Elas também podem ser vistas em um diagrama clicando em “Diagrama modelo”, que está disponível na própria aba de “Pesquisa” dentro da tabela, ou mesmo clicando na aba de “Dados” no menu lateral esquerdo.

Deixe uma resposta